segunda-feira, 28 de julho de 2008

BORBOLETA RUBRA.




Mulher borboleta teu vôo me encanta.
Cobre-me em cores no véu de tua manta.
Livra-te o casulo te quero tão leda.
Largada e sensual, Envolta em seda.
Passa na vida.
Passagem sofrida.
Vida que muda.
Mudança empedernida.
Muda de modo ao rubro em cor.
Do rastejar em meu leito ao vôo do ardor.
Novidade na era, na era real.
Primeira em vera, verdade sensual!
Mulher borboleta me cobre em tuas asas.
Guarda em mil flores, amores que abrasas.
Borboleta em mulher, em vôos te gosto.
Me prendes em sonhos ao jogo em que aposto.
Te dou borboleta meu néctar de amor.
Me dás borboleta teu pólen de flor.
Enfim borboleta, é o amor quem te toma, polinizada pra sempre, do alguém que te ama.




(Por: Marcos Woyames de Albuquerque)