segunda-feira, 4 de agosto de 2008

A COR DA SAUDADE


Cabelos revoltos, soltos ao vento...
Em nossos lábios a brisa passeia ,
E o desejo nos faz flutuar...
O teu corpo se enleia ao meu,
Na areia da praia, à luz do luar.
O tempo não pára na nascente da água,
Que está a correr...
Desejo proibido, doce prazer, por demais contido...
A queda d'água que jorra em teus olhos,
Prenuncia saudade...
Foram dias felizes que juntos passamos,
Quando sem medo amamos,
E estrelas contamos...
Fizemos história!
Os beijos trocados de frente pro mar,
Ficaram marcados em nossa memória.
Hoje trago no peito esse aperto, esse medo, esse jeito sem jeito de não mais te ver.
No negro da noite as estrelas derramam torrentes de lágrimas,
Que se fundem e se abraçam ao prateado da lua.
Nasce, dessa mistura, a cor cinza da saudade,
A preencher ausência tua...



Neila Costa