quinta-feira, 3 de abril de 2008

O ORVALHO E A ROSA



Em noites frias, agraciadas pelo luar,
pode-se presenciar a eternidade de um amor.
Num jardim silencioso,
uma rosa aguarda por seu amante.

Amante que vem do céu,
seduzido pelo perfume da rosa,
deixa-se cair, em gotas cristalinas, sobre seu corpo
e escorrer lentamente por suas pétalas.

A lua, que tudo observa,
intensifica sua luz prateada
na intenção de perpetuar este amor.
No amanhecer, os raios de sol que iniciam o dia,
findam o namoro dos amantes.

A rosa, aguardará por seu amante,
que retornará em outras noites.
Mas um dia, ela, murchará,
perderá seu perfume.
Dela, somente as sementes
e o amor de seu eterno amante restarão.

O amante fiel voltará a procura de sua rosa.
Sem encontrá-la cairá ao chão,
ali padecerá em saudades,
alimentando os filhos do amor.

Neste jardim, filhas deste amor,
outras rosas nascerão.
Assim, em noites frias de luar,
pode-se presenciar a eternidade do amor
do orvalho com a rosa,
como um desejo da lua.

Kirk®


(Repasse com os devidos créditos)"

Nenhum comentário: